abstrações

agosto 11, 2014

Abstrações

 

A descoberta da fotografia foi o que libertou o artista do seu papel de documentador visual da paisagem, das pessoas e dos fatos que o cercava. A fotografia passa a fazer estes registros com mais rapidez e fidelidade, pois não depende da relação afetiva do artista com o momento ou objeto a ser retratado.

Como em todo o momento de extrema liberdade, aqui também houve um tempo de busca de um novo sentido para o fazer artístico, que resultou na ampliação quase infinita de possibilidades e de valorização de elementos que até então faziam parte da obra como recursos meramente técnicos ou complementares.

Assim, a cor e todas as suas nuances, a materialidade da tinta, ou a linha como consequência do gesto sobre a superfície constroem obras independentes do resultado formal, ou se este nos traz informações descritivas de cenas, paisagens ou modelos vivos.

Soma-se a isto, a ‘descoberta’ do inconsciente e sua relação com a narrativa dos sonhos e a valorização destas imagens vindas do universo interno do artista e transformado em obra através do fazer artístico, independente da linguagem utilizada. Libertam-se assim, de vez, a poesia e o fazer poético.

A relação obra – espectador fica também livre do compromisso com o reconhecimento da realidade física do universo que os cercam, dando passagem ao ‘sentir’ o trabalho.

Nesta exposição optamos por apresentar ‘Abstrações’. Trabalhos para sentir a cor, alinha, o gesto, e viver a possibilidade de voar com imagens que não nos trazem necessariamente memórias visuais, mas que mesmo sem saber como nem porque, batem no olho, no coração, na alma…no fundo.

 

Daisy Viola

 

Anúncios

a pele que se solta

agosto 11, 2014

Pele que se solta
Dor – feminino – religioso – barroco

A imagem da cobra nadando no rio e esfregando o corpo varias vezes na pedra da margem para que a pele se solte.
Afinal o corpo cresceu e aquela roupa não serve mais – edicse – dói.
De repente, papéis brancos, finos, leves, sensíveis, amassados recebem um ‘reforço químico’ de verniz acrílico para que suportem os passos que vem a seguir. Coisas de mulher. Trazem um pouco da bagagem de muitas. São imagens há tempos guardadas, pedaços de vestidos que um dia foram importantes para a amiga, rendas, tules, lantejoulas e rosas de pano vermelhas, tudo elementos que simbolizam a nossa necessidade feminina de, de vez em quando, ‘trocar de pele’, fazer vir à tona a que está por baixo, mais perto do dentro.

O papel enruga, rasga, amassa, reage, não aceita. Recebe mais papel, mais pano, mais imagem, mais tinta, mais vida, mais brilho, dourados, vermelhos, enfim, se solta, como a pele da cobra.
E olho. Arrepio. Está quase barroco, religioso.
A existência é cheia de pedras pelo caminho. Servirão de asperezas a serem esfregadas para que a pele se solte e nos deixe crescer.
A arte, de novo cumpre o seu papel de materializar um universo individual, porém universal.